Neurologista CRM 770

Cefaleia Explosiva

Acho este termo mais apropriado para uma dor de cabeça que se instala abruptamente e atinge intensidade máxima em poucos minutos. Em inglês é “thunderclap”, sendo traduzido para o português como “em trovoada ou do trovão”.

É um tipo de dor de cabeça que preocupa pela instalação abrupta e forte intensidade deixando a pessoa em grande sofrimento por horas a dias. É uma experiência única, não costuma ser repetitiva. Se o paciente já teve dor de cabeça, essa é descrita com “a pior da vida”.

Este tipo de cefaleia costuma ser provocado por doenças potencialmente graves e, portanto, requer atendimento de urgência e investigação imediata.

Geralmente a pessoa leva as mãos à cabeça, interrompe a atividade que está executando, procura ficar em repouso, pode ter náuseas e vômitos. Perda de consciência a seguir pode ocorrer dependendo da causa.

Em 1/3 dos casos não existe uma causa reconhecida podendo ser por esforço físico (exercícios pesados), atividade sexual (cefaleia coital ou orgásmica), cefaleia da tosse. Mesmo cefaleias comuns com a enxaqueca e de tensão e rino-sinusite podem raramente ser assim tão abruptas  e intensas.  Mas mesmo nestes casos exige-se investigação de imediato para excluir causas mais graves.

O que é preocupante é  poder tratar-se  de  uma causa séria como ruptura de aneurisma cerebral, vasoconstrição cerebral, trombose venosa cerebral,  dissecção de artérias cervicais e cerebrais, hipertensão ou hipotensão intracraniana, crise de elevada hipertensão arterial, meningites.

A história clínica é fundamental porque ajuda no raciocínio médico promovendo pistas para o diagnóstico e orientando os exames e a conduta final.

Os exames clínico e neurológico já podem denunciar uma causa , identificando uma crise hipertensiva, rigidez de nuca na meningites e hemorragia subaracnóidea por ruptura de aneurisma, por exemplo.

O primeiro exame complementar a ser realizado é a  tomografia computadorizada de crânio, que, se for normal, deve ser seguida de angio-ressonância  magnética cerebral e até punção lombar para estudo do liquor (“líquido da espinha”) nos casos duvidosos.

Compartilhe este Post

Related Post

Um Passeio pela América

Parte III: Winston-Salem. Em outubro de 1979 chegamos a Winston-Salem, North Caroline. Havia escolhido este local por...

Um Passeio pela América

Parte II: Boston. Em início de setembro de 1979 chegamos a Boston. Eu estava realizando um sonho...

Um Passeio pela América

Parte I: Canadá. Era agosto de 1979, era pleno verão canadense e como lá não tem nada...

Deixe uma resposta