Neurologista CRM 770

Doença de Parkinson

Este ano completa-se 203 anos da publicação original, na Inglaterra, em que James Parkinson descreveu um quadro clínico que ele chamou de “ paralisia agitante” (em inglês “the shaking palsy”), porque iniciava com tremor e ia paralisando o corpo com o tempo. Muito tempo depois,  em sua homenagem, a denominação  foi mudada para “ doença de Parkinson”.

Esta doença é de incidência universal, predomina na raça branca, mais comum em homens (3:2). Rara em jovens, começa a aparecer após os 50 anos, tem um píco aos 70 e incide em 3.5% das pessoas acima de 85 anos.

Clinicamente caracteriza-se por tremor de repouso, lentidão de movimentos (bradicinesia), enrijecimento muscular (rigidez) e desequilíbrio. Estas alterações prejudicam quase todas as atividades motoras como a fala, a escrita, a marcha, a postura, a expressão fisionômica. Também há os sintomas não motores descritos em outro texto neste site.

Este conjunto de sinais e sintomas compõem a síndrome parkinsoniana ou parkinsonismo, que pode ser devido a algumas causas como doença vascular cerebral, pós- traumatismo cranioencefálico, por encefalites e também como efeito colateral de medicamentos. Se não tiver nenhuma causa possível é que se faz o diagnóstico de doença de Parkinson.

O que se sabe hoje desta doença é que há diminuição da produção de dopamina por algumas células nervosas do encéfalo (neurônios). Sendo esta substância fundamental para o funcionamento normal do sistema motor, sua diminuição provoca o quadro de tremor, bradicinesia e rigidez.

Uma proteína normal do neurônio, chamada alfa-sinucleina, por motivo ainda não conhecido, aumenta a quantidade, forma grânulos, chamados corpos de Lewy, que prejudicam o funcionamento destas células e, consequentemente, diminuem a produção de dopamina. Os corpos de Lewy tem distribuição ampla no sistema nervoso, mas comprometem mais alguns alvos, principalmente a substância nigra pars compacta, onde estão neurônios dopaminérgicos

O tratamento que hoje existe é a administração de medicamentos que aumentem a quantidade de dopamina. Isto se mostra eficaz, controla os sinais e sintomas e o paciente vive relativamente bem por anos.

Quando a medicação começa a perder efeito, pode-se considerar o tratamento cirúrgico. Os critérios maiores para indicação cirúrgica são: doença durando mais de 5 anos, perda de efeito satisfatório da medicação ou surgimento de efeitos colaterais não tolerados.

O INSTITUTO DE NEUROLOGIA DE GOIÂNIA é um centro de referência nacional para tratamento cirúrgico da doença de Parkinson.

Compartilhe este Post

Related Post

Quedas nos idosos

As pessoas de idade tem possibilidade de sofrer quedas. Acima de 65 anos, 28 a 35% pode...

Covid-19 e o Cérebro

O novo coronavírus pode atingir o encéfalo e representar uma grande ameaça. Este artigo é para chamar...

Epilepsia

A epilepsia afeta mais de 70 milhões de pessoas no mundo. Há 2 picos de aparecimento: em...

Deixe uma resposta