Neurologista CRM 770

Dormência e Formigamento

Todo mundo já sentiu, uma ou outra vez, dormência ou formigamento. Dormência é uma sensação como a que ocorre durante o efeito de anestesia local, por exemplo, para tratamento odontológico. Formigamento é o que se sente quando deita de mau jeito, por cima do braço. Em ambos os casos, a sensação é transitória e a recuperação é completa. Estas sensações são designadas pelos médicos como parestesias e existem outras neste grupo: queimação, ardência, amortecimento.
Na pele, mucosas e vísceras existem os receptores sensitivos que são terminais de fibras nervosas. As fibras nervosas agrupam-se em troncos que são os nervos e chegam à medula espinhal dentro da coluna vertebral. Aí estas fibras formam feixes que ascendem até o cérebro onde terminam em áreas especificas para as diferentes sensibilidades (tato, dor, temperatura etc). Enfim é o cérebro que “sente” embora a sensação seja localizada em uma parte do corpo. Se se interromper a via sensitiva em qualquer parte de seu trajeto, há supressão da sensação. Esta é a base dos procedimentos anestésicos, permitindo realizar cirurgias sem dor.
Portanto um leve toque na pele estimula o receptor tátil, que o transforma em sinal elétrico, que passa à fibra nervosa, sendo transmitido ao sistema nervoso central, que então reconhece e localiza onde ocorreu o estímulo. Isto vale para qualquer tipo de estímulo como dor, pressão, quente e frio.
As parestesias ocorrem quando há uma alteração em qualquer parte da via sensitiva.
OU SEJA AS PARESTESIAS SÃO SEMPRE SINAL DE DISTÚRBIO NEUROLÓGICO.
Voltando aos exemplos do início deste artigo: a dormência pela anestesia local no tratamento odontológico, corresponde ao bloqueio do nervo (neste caso, um ramo do nervo trigêmeo) pelo produto químico injetado; o formigamento no braço  ocorre por compressão de um nervo ou da artéria que nutre o nervo. Portanto em ambos a manifestação é neurológica.
Inúmeras são as possíveis causas neurológicas de parestesias, algumas simples outras bem mais sérias. Como exemplos :
  1. Acordar com uma ou as duas mãos dormentes, melhorando  logo com exercícios de abrir e fechar as mãos: costuma ser compressão do nervo mediano no punho (síndrome do túnel do carpo).
  2. Parestesias nas pontas dos dedos dos pés, é o que acontece em polineuropatias;
  3. Parestesias simétricas nas duas pernas ocorrem em lesão da medula espinhal;
  4. Dormência ou formigamento em braço e perna do mesmo lado indica lesão no  lado oposto do cérebro.
A coluna vertebral só provoca parestesias se houver compressão de raízes nervosas (que originam os nervos) ou da medula espinhal: novamente confirmando o comprometimento neurológico.
Doenças vasculares periféricas, como varizes, não são causas de parestesias a não ser que provoquem isquemia dos nervos locais.
O que precisa ficar bem claro é que a investigação é necessariamente neurológica e sempre é bom que seja feita logo, mesmo que as parestesias desapareçam espontaneamente, porque há doenças que evoluem em surtos com recuperação completa nos intervalos.

Compartilhe este Post

Related Post

Quedas nos idosos

As pessoas de idade tem possibilidade de sofrer quedas. Acima de 65 anos, 28 a 35% pode...

Doença de Parkinson

Esta doença é de incidência universal, predomina na raça branca, mais comum em homens. Rara em jovens,...

Epilepsia

A epilepsia afeta mais de 70 milhões de pessoas no mundo. Há 2 picos de aparecimento: em...

Deixe uma resposta